Dia do Índio Ajuricaba como Ícone da Cultura das Etnias indígenas do Estado (24 de outubro)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datas.blog/3163

Próxima Celebração "Dia do Índio Ajuricaba como Ícone da Cultura das Etnias indígenas do Estado": Quarta-Feira, 24 de Outubro de 2018, : daqui 334 dias, 23:53:17-02:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 2 minutos.

O Dia do Índio Ajuricaba como Ícone da Cultura das Etnias indígenas do Estado em 24 de outubro de cada ano, é uma comemoração no Estado brasileiro do Amazonas, que foi criada pela Lei Nº 3.856 de 11 de janeiro de 2013, através da qual se ditou que as instituições educativas, esportivas, culturais e sociais deverão inserir em suas manifestações culturais, alusão ao índio Ajuricaba do Amazonas, além de instituir essa data festiva, como ícone cultural das etnias indígenas do Estado amazonense.

Essa data comemorativa de amazonenses tem por fim, marcar a data da Lei Nº 145 ou 147 de 24 de outubro de 1848 da Assembleia Provincial Paraense, que então criou a cidade de Nossa Senhora da Conceição da Barra do Rio Negro, hoje cidade brasileira de Manaus-AM, cujo nome atual faz referência à tribo dos manáos [na grafia antiga, que atualmente é mais conhecida como manaós], considerada orgulhosa pelos portugueses, por se negar a ser dominada e servir de mão-de-obra escrava aos patrícios de Portugal.

Bem armados, os manaós enfrentavam os portugueses, atacando as missões do Rio Negro, resistindo e impedindo a ação das "tropas de resgate", que nada mais eram que tropas portuguesas em busca de escravos indígenas) dentro de sua área de influência. Os portugueses temiam outros povos indígenas da região seguindo o exemplo dos Manaós, assim abrindo o caminho para uma invasão neerlandesa no vale do Rio Negro. Então, após negociações de paz, que não duraram, os portugueses começaram uma "guerra justa" contra os Manaós

Nessa luta sem tréguas, essa população indígena contava com o indígena Ajuricaba como um de seus líderes, que então era opositor dos portugueses e possível aliado dos holandeses, para entrar frequentemente em confronto com os habitantes do Forte de São José da Barra do Rio Negro, que era uma construção em pedra e barro com seus 4 canhões, até esse índio ser aprisionado e enviado ao atual Estado brasileiro do Pará, em cuja viagem ele morreu em condições misteriosas.

Porém há outra versão,
de acordo com a tradição registrada na historiografia, pela qual se consta que Ajuricaba teria se lançado no rio Amazonas com as correntes que o prendiam, depois de ele ter comandado uma malograda rebelião dos prisioneiros conduzidos a ferros para a atual cidade brasileira de Belém-PA.

Conforme a história daquele tempo, as lutas dos índios contra os lusitanos só terminaram de vez, quando os militares portugueses começaram a ligar-se aos manaos através de casamentos com as filhas dos Tuxauas, dando início então, à intensa miscigenação na região, de cujo cruzamento de raças surgiram os caboclos do Brasil.

Fontes consultadas:

  1. 200.242.45.75/…
  2. biblioteca.ibge.gov.br/…
  3. pt.wikipedia.org/…
  4. legis.senado.gov.br/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datas.blog/3163

RSS/XML