Dia do Apresentador de Programas de Rádio e de Televisão (20 de janeiro)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datas.blog/3607

Próxima Celebração "Dia do Apresentador de Programas de Rádio e de Televisão": Domingo, 20 de Janeiro de 2019, : daqui 330 dias, 04:55:59-03:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 4 minutos.

O Dia do Apresentador de Programas de Rádio e de Televisão em 20 de janeiro de cada ano, é uma comemoração na cidade brasileira do Rio de Janeiro-RJ, que foi estatuída pela Lei Nº 4.408 de 19 de setembro de 2006, e que foi ratificada pela Lei Nº 5.146 de 7 de janeiro de 2010.

Essa data comemorativa da chamada "cidade Maravilhosa" provavelmente tem por fim, marcar a data da inauguração da emissora de televisão brasileira, TV Tupi Rio de Janeiro [também conhecida como TV Tupi Rio e TV Tupi da Guanabara (nos tempos da antiga(o) cidade/estado brasileiro da Guanabara, que foi ao ar em 20 de janeiro de 1951, como a 2ª emissora de TV a ser inaugurada no Brasil, não muito tempo depois da Inauguração da PFR-3 TV Difusora [mais tarde TV Tupi], que havia começado a funcionar oficialmente em 18 de setembro de 1950 na capital paulista, como a 1ª emissora de televisão do Brasil e da América Latina, e a 4ª do mundo, integrada então ao império jornalístico Diários e Emissoras Associados do jornalista brasileiro, Assis Chateaubriand [o Chatô], com a qual ainda iria formar a "Rede Tupi de Televisão".

Tanto no Rio como em São Paulo, a inauguração da TV Tupi se deu graças ao empenho de um grupo de empresários, artistas e técnicos brasileiros, que então acreditaram no sonho [cultivado desde 1946], que nessa época tinha por propósito se fazer televisão nas Terras Brasilis.

Bastaram apenas uns poucos meses de treinamento, para que alguns radialistas escolhidos por Chatô se lançassem à aventura de fazer TV no Brasil. Nesse começo os estúdios eram pequenos, o equipamento precário, mas o nascimento da TV Tupi foi também um grande acontecimento.
Acostumados à improvisação e rapidez do rádio, os pioneiros não tiveram problemas em se adaptar ao moderno veículo e aprenderam muito: ator virava sonoplasta, autor dirigia, diretor entrava em cena. A TV Tupi dos primeiros anos era uma verdadeira escola, tanto no Rio, quanto em São Paulo. Alguns programas dos primeiros tempos da TV Tupi tornaram-se campeões de audiência e permanência no ar. Porém, vieram os tempos difíceis e as emissoras concorrentes foram ocupando os espaços vazios deixados pela pioneira.

Tudo começou quando o monopólio da TV Tupi como única emissora da então cidade e do estado da Guanabara foi quebrado em 1955, com a inauguração da TV Rio, Canal 13. Depois vieram a TV Continental, Canal 9 (1959), a TV Excelsior Rio de Janeiro, Canal 2 (1963), e a TV Globo Rio de Janeiro, Canal 4 (1965). No entanto, perdeu as TVs concorrentes Excelsior (1970), Continental (1972) e Rio (1977), mas passou a ter de disputar mercado com a TV Educativa do Rio de Janeiro, Canal 2 (1975), com a TV Studios Rio de Janeiro, Canal 11 (1976), e com a TV Bandeirantes Rio de Janeiro, Canal 7 (1977).

Ano após ano, a crise se aprofundava, fazendo com que a longa crise dos Diários Associados já tivesse começado muito antes da morte de Assis Chateaubriand, em 4 de abril de 1968. Abalada por problemas financeiros, mal administrada e sem investimentos, em todos os lugares onde atuava, a Tupi perdia qualidade e audiência.
Até que, em 16 de julho"] de 1980, faltando apenas dois meses para se completarem os 30 anos da sua 1ª emissora no ar, a então Rede Tupi teve 7 de suas 10 concessões declaradas peremptas (termo jurídico que significa "não-renovável") pelo Governo do então presidente-ditador do Brasil, João Baptista de Oliveira Figueiredo; a decisão foi publicada no DOU [Diário Oficial da União] de 17 de julho"] de 1980.

Das 7 concessões declaradas peremptas, a última que saiu do ar foi a TV Tupi do Rio. Em 17 de julho, os funcionários da estação iniciaram uma vigília de 18 horas, comandada pelo apresentador brasileiro, Jorge Perlingeiro, com o objetivo de impedir que o canal fosse fechado. Várias personalidades, como o cantor brasileiro, Agnaldo Timóteo, e o humorista brasileiro, Costinha, deram apoio aos funcionários. Mas nada adiantou. Às 12:36 de 18 de julho de 1980, logo após a exibição de um vídeo da missa do Papa João Paulo II, realizada no Aterro do Flamengo, seguida da leitura de uma mensagem dirigida ao presidente Figueiredo, na voz do ator e locutor brasileiro, Cévio Cordeiro, pedindo para que a estação não fosse fechada, o sinal da Tupi do Rio foi definitivamente cortado. Durante a exibição do referido vídeo e da leitura da mensagem com o último apelo contra o fim da TV Tupi, os funcionários puseram na tela os dizeres "Até Breve, Telespectadores Amigos. Rede Tupi". Ao fim, aparecia o histórico logotipo da emissora.
Depois que a TV Tupi Rio de Janeiro foi fechada, o Canal 6 ficou sem sinal por quase 3 anos. Na época em que saiu do ar em 1980, a emissora tinha como concorrentes, as TVs Globo (1965), TVE RJ (1975) e TV Studios (1976).

Com a decisão governamental, saíram também do ar a TV Tupi de São Paulo-SP, a TV Itacolomi de Belo Horizonte-MG, a TV Marajoara de Belém do Pará-PA, a TV Piratini de Porto Alegre-RS, a TV Ceará de Fortaleza-CE e a TV Rádio Clube do Recife-PE.
Em 1998, os Diários Associados ganharam uma ação indenizatória na Justiça contra o Governo Federal, cabendo-lhes o direito a indenização pela intervenção que resultou na perda de 5 dos 7 canais das Emissoras Associadas, que à época não enfrentavam dificuldades financeiras. Somente a TV Tupi de São Paulo e a TV Tupi do Rio é que estavam com salários atrasados. No caso do canal 6 carioca, boa parte de suas contas eram pagas pela Super Rádio Tupi do Rio, uma vez que a rádio e a TV faziam parte da mesma razão social (S/A Rádio Tupi). Na época, a lei previa que o governo federal teria de nomear um interventor para assumir a administração das empresas em dificuldades, afastando com isso os controladores da mesma que a haviam levado a crise, e somente em caso de falência, que não houve, é que caberia a decisão que foi tomada pelo Governo Federal brasileiro. Porém não era o caso de falência, pois a TV Tupi de São Paulo e a TV Tupi do Rio tinham patrimônios [imóveis, equipamentos, instalações, etc...], que cobriam as dívidas então existentes.

Fontes consultadas:

  1. mail.camara.rj.gov.br/…
  2. pt.wikipedia.org/…
  3. minilua.com/…
  4. pt.wikipedia.org/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datas.blog/3607

RSS/XML