Dia de Nossa Senhora Aparecida (12 de outubro)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datas.blog/1118

Próxima Celebração "Dia de Nossa Senhora Aparecida": Sexta-Feira, 12 de Outubro de 2018, : daqui 354 dias, 03:27:37-02:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 5 minutos.

O Dia de Nossa Senhora Aparecida em 12 de outubro de cada ano, é uma comemoração de brasileiros, que foi criada pela Lei Nº 6.802 De 30 de junho de 1980, a fim de ser festejada com feriado nacional, para culto público e oficial a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.

A oficialização dessa data comemorativa de brasileiros está diretamente relacionada com a 1ª visita do Papa João Paulo II ao Brasil, e com uma solene missa celebrada em 4 de julho de 1980 com a presença do Santo Padre, para a consagração da nova Basílica Nacional de Nossa Senhora Aparecida, num edifício idealizado em forma de cruz grega pelo arquiteto brasileiro, Benedito Calixto, cuja construção foi iniciada por volta de 1952 com seus 173 metros de comprimento por 168 metros de largura [as naves com 40 metros e a cúpula com 70 metros de altura] na cidade brasileira de Aparecida-SP, considerado como o maior e o 4º santuário mariano mais visitado do mundo, capaz de abrigar até 45.000 fiéis, revigorando então a devoção à Santa Maria, Mãe de Deus.

Para conhecimento, Nossa Senhora da Santa Conceição Aparecida, popularmente chamada de Nossa Senhora Aparecida, foi proclamada Rainha do Brasil e padroeira do Brasil, por decreto de 16 de julho de 1930 do papa Pio XI, "com o fim de promover o bem espiritual dos fiéis e aumentar cada vez mais a devoção à Imaculada Mãe de Deus".
por decreto da Santa Sé e em nome do papa Pio X, a imagem de Nossa Senhora Aparecida já havia sido coroada em 8 de setembro de 1904, com uma coroa de ouro cravejada de diamantes e rubis, juntamente com um manto azul [ricamente adornado e bordado em ouro e pedrarias], símbolos de sua realeza e patronato, que haviam sido doados em 6 de novembro de 1888 pela Princesa Isabel do Brasil, como paga de uma promessa que ela havia feito em 8 de dezembro de 1868,por ocasião da sua 1ª visita ao santuário.

Segundo os relatos, a aparição da imagem de Nossa Senhora Aparecida ocorreu na segunda quinzena de outubro de 1717, quando estava de passagem pela cidade brasileira de Guaratinguetá-SP no Vale do Paraíba, o nobre e militar português, 1º conde de Assumar e àquele tempo governante da Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, Dom Pedro de Almeida, então realizando uma viagem até Vila Rica.

Ainda conforme os relatos, diante de tão importante visita, o povo de Guaratinguetá decidiu fazer uma festa em homenagem à presença do 1º conde de Assumar na região. E apesar de não ser temporada de pesca, os pescadores lançaram seus barcos no Rio Paraíba, na intenção de capturarem uns peixinhos para oferecer ao nobre português. segundo se conta, os pescadores brasileiros, Domingos Garcia, João Alves e Filipe Pedroso, antes de iniciarem a pescaria, rezaram para a Virgem Maria e pediram a ajuda de Deus. Após várias tentativas infrutíferas, desceram o curso do rio até chegarem ao Porto Itaguaçu. Eles já estavam a desistir da pescaria, quando João Alves jogou sua rede novamente e talvez, num último esforço; nessa tentativa, ao invés de peixes, apanhou o corpo de uma imagem da Virgem Maria sem a cabeça. Ao lançar a rede novamente, apanhou a cabeça da imagem, que foi envolvida em um lenço. Após terem recuperado as duas partes da imagem, a figura da Virgem Aparecida teria ficado tão pesada, que eles não conseguiam mais movê-la. A partir daquele momento, os 3 pescadores apanharam tantos peixes, que se viram forçados a retornar ao porto, uma vez que o volume da pesca ameaçava afundar as embarcações. Esta foi a 1ª interssesão atribuída à santa.

Durante os 15 anos seguintes, a imagem permaneceu na residência de Filipe Pedroso, onde as pessoas da vizinhança se reuniam para orar. em 1732, Filipe Pedroso entregou a imagem à guarda de seu filho, Atanásio Pedroso, que terminou por construir um pequeno oratório onde colocou a Imagem da Virgem, mantida nesse pequeno oratório até 1743.
Todos os sábados, a vizinhança reunia-se no pequeno oratório para rezar o terço. Por conta da ocorrência de inúmeros milagres atribuídos à interceção da Santa, a devoção a Nossa Senhora da Santa Conceição Aparecida começou a se difundir de boca em boca, com o nome popular de Nossa Senhora Aparecida. A devoção crescia tanto, que já por volta de 1734, o vigário de Guaratinguetá tratou de organizar a construção de uma capela no alto do Morro dos Coqueiros, aberta à visitação pública em 26 de julho de 1745. A capela foi erguida com a ajuda do filho de Filipe Pedroso, que não aprovava o local escolhido, pois considerava mais cômodo para os fiéis uma região próxima ao povoado.
Como essa 1ª capela já não mais comportasse o número de devotos, em 1842 foi iniciada a construção de um novo templo, inaugurado em 8 de dezembro de 1888. Esse novo templo foi elevado à dignidade de "Episcopal Santuário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida" em 1893, por iniciativa do Bispo diocesano de São Paulo, Dom Lino Deodato Rodrigues de Carvalho. Em 29 de abril de 1908, foi concedido ao Santuário o título de "Basílica Menor", com sua consagração ocorrida em 5 de setembro de 1909, quando o templo recebeu os ossos de são Vicente Mártir, trazidos da cidade e capital italiana de Roma, com a permissão do Santo Papa. E em 5 de março de 1967 [completados 250 anos da devoção], o Papa Paulo VI ofereceu a "Rosa de Ouro" à Basílica de Aparecida, gesto repetido em 2007 pelo Papa Bento XVI, que ofereceu outra "Rosa de Ouro" ao Santuário, em decorrência de sua Viagem Apostólica ao país nesse mesmo ano, reconhecendo através desse ato, a importância da santa devoção.

Desde 28 de outubro de 1894, os padres e irmãos da Congregação dos Missionários Redentoristas trabalham no atendimento aos romeiros que acorrem aos pés da imagem, para rezar com a Senhora "Aparecida" das águas.

A imagem retirada das águas do rio Paraíba em 1717 mede quarenta centímetros de altura e é de terracota, ou seja, argila que, após modelada, é cozida num forno apropriado. Em estilo seiscentista, como atestado por diversos especialistas que analisaram a mesma, acredita-se que originalmente apresentava uma policromia, como era costume à época, muito embora não haja documentação que comprove tal suspeita. A argila utilizada para a confecção da imagem teria sido oriunda da região de Santana do Parnaíba na Grande São Paulo. Quando recolhida pelos pescadores, estava sem a policromia original, provavelmente, por conta do longo período em que estivera submersa nas águas do rio. A cor de canela que a imagem apresenta hoje em dia, deve-se à exposição secular à fuligem produzida pelas chamas das velas, lamparinas e candeeiros, que têm sido acesos ao longo dos anos por seus devotos.
Através de estudos comparativos, a autoria da imagem foi atribuída ao Frei Agostinho de Jesus, um monge de São Paulo conhecido por sua habilidade artística na confecção de imagens sacras. Tais características incluem a forma sorridente dos lábios, queixo encravado, flores em relevo no cabelo, broche de 3 pérolas na testa e porte empinado para trás. O motivo pelo qual a imagem se encontrava no fundo do rio Paraíba pode ser devido ao costume do período colonial, em que as imagens sacras de terracota quebradas ou defeituosas eram jogadas em rios ou enterradas.

Fontes consultadas:

  1. www.planalto.gov.br/…
  2. pt.wikipedia.org/…
  3. www.miliciadaimaculada.org.br/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datas.blog/1118

RSS/XML