Dia da Etnia Pomerana (18 de janeiro)

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datas.blog/3595

Próxima Celebração "Dia da Etnia Pomerana": Quinta-Feira, 18 de Janeiro de 2018, : daqui 86 dias, 14:36:39-02:00.
Tempo médio de leitura para essa data comemorativa: ± 3 minutos.

O Dia da Etnia Pomerana em 18 de janeiro de cada ano, é uma comemoração no Estado brasileiro do Rio Grande do Sul, que foi estabelecida pela Lei Nº 12.998 de 8 de julho de 2008.

Essa data comemorativa de sul-rio-grandenses tem por fim, marcar a data do início da imigração Pomerana no Estado sul-rio-grandense, ocorrido em 18 de janeiro de 1858, com a fixação de um grupo de imigrantes no interior do município brasileiro de São Lourenço do Sul-RS na localidade atualmente denominada de Coxilha do Barão-RS, que foi seguida da chegada de outros pomeranos, uma etnia descendente de tribos eslavas e germânicas que vive na região histórica da Pomerânia [Pommerland em pomerano] e falando a língua pomerana [uma língua baixo saxônica], ao longo da costa do Mar Báltico e entre os rios Oder e Vístula [atualmente numa região entre a Alemanha e a Polônia, que hoje é conhecida como Pomerânia Oriental.

Por exemplo, a imigração que aconteceu na cidade brasileira de São Lourenço do Sul-RS se tratava de uma colonização particular, articulada entre o comerciante e administrador colonial alemão que trabalhou no Brasil, Jacob Rheingantz, com o estancieiro brasileiro, José Antônio Oliveira Guimarães, pela qual foi possível a fundação da Colônia de São Lourenço, em 1858, na Serra dos Tapes no município brasileiro de Pelotas-RS, onde, durante muitos anos, além de diretor e empresário, ele também foi a autoridade máxima na colônia, pois o governo provincial por muitos anos não forneceu nenhum auxílio na área de educação, religião ou segurança, que é considerada a região no Brasil mais semelhante à Pomerânia em terras brasileiras. Tanto é que hoje, em São Lourenço do Sul, é possível ter um contato próximo com a cultura pomerana através de um passeio turístico chamado "Caminho Pomerano", no qual são relatados e representados antigos hábitos, num circuito constituído por visita a cidade, degustações de produtos típicos da culinária pomerana, e contato com o artesanato feito na região. Contudo, o objetivo do projeto de um roteiro pomerano não foi a simples necessidade de mostrar a cultura preservada pelos lourencianos, e sim, aumentar o turismo e a permanência de famílias na zona rural, muito embora, uma pesquisa realizada pelo então bacharel em Turismo pela UFPel [Universidade Federal de Pelotas] e aluno do Mestrado em Geografia da UFBA [Universidade Federal da Bahia], Guilherme Peglow Klumb, verificou a diminuta presença de famílias descendentes diretamente de pomeranos no roteiro estudado, o que deveria servir de alerta para os responsáveis pelo "Caminho Pomerano", para que o roteiro não se torne inautêntico aos olhos do turista e da própria comunidade local.

Quando Jacob Rheingantz faleceu, em 1877, durante uma viagem à Alemanha em busca de arrebatar novos imigrantes, e depois de ter "sobrevivido" a um motim dos colonos, alguns anos antes, sua colônia era um sucesso, já tinha um total de 52 mil hectares e mais de seis mil moradores entre imigrantes e descendentes, além de 16 escolas particulares destinadas à educação da nova geração. Mas sua administração não deve ter sido das mais benéficas para os colonos, pois os pomeranos, descendentes de Eslavos que chegaram ao Estado em 1858, se instalando no interior de São Lourenço do Sul, logo partiram para outras terras. Sendo um povo de acentuada vocação para a agricultura, sempre cultivaram o trigo, a cevada, beterraba açucareira, centeio, pastagens e, posteriormente, a batata. Atualmente a influência da cultura, hábitos e língua pomerana é significativa nos municípios de São Lourenço do Sul, Canguçu, Turuçu, Chuvisca, Arroio do Padre, Morro Redondo e Pelotas, sendo que em alguns destes municípios os descendentes chegam a constituir 70% da população.

A influência cultural pomerana é acentuada na música, com suas bandas típicas, na língua pomerana, falada fluentemente no interior dos estabelecimentos comerciais, na religião, de predominância luterana e na culinária, com pratos típicos como "cucas" e "pães. A stipa", e com costumes como aquele semelhante a uma serenata, que acontece no sábado de aleluia, onde pessoas caracterizadas visitam as famílias, acompanhadas de músicos e são recepcionados pelos donos da casa com doces, cucas, bebidas e recebem uma pequena quantia em dinheiro para cobertura do deslocamento, pois esse povo sofrido que, mesmo não sendo exatamente alemão, mas que foi confundido com os nazistas do líder alemão, Adolf Hitler, sofrendo na pele, claro, as consequências dessa confusão, de alguma forma resistiu com suas tradições e costumes até os nosso dias.

Fontes consultadas:

  1. www.al.rs.gov.br/…
  2. www.al.rs.gov.br/…
  3. e-ipol.org/…
  4. pt.wikipedia.org/…
  5. propesp.furg.br/…
  6. midiacidada.org/…
  7. www.cult.ufba.br/…

Para dúvidas, críticas, sugestões, reclamações, convites e outros assuntos, por favor, Entre em contato

Licença Creative Commons, para reproduzir tem que citar fonte com link. URL curta: http://datas.blog/3595

RSS/XML